Liquidificultura

"A Última das Helenas" (do Maneco)

Não se trata da primeira vez que Manoel Carlos anuncia sua última Helena, parece que dessa vez é pra valer, já havia anunciado em “Páginas da Vida” (2006) e depois em “Viver a Vida”(2009), é o que digo - tudo vale a pena quando a grana não é pequena (risos). Afinal os autores de modo geral vão ficando sem assunto e parecem não admitirem, ou não resistem as propostas. O trabalho é árduo e cansativo, porém há um grande intervalo de tempo entre um trabalho e outro, fora a tentação de ficar sob os holofotes, é difícil abandoná-los.

Posso estar sendo injusto e seja apenas o amor pela dramaturgia, a vontade de contar histórias, se sentir um pouco Deus, brincar de Deus e ver suas crias nascerem, brotarem e criarem vida.

A primeira Helena de Manoel Carlos aconteceu em “Baila Comigo”(1981 ), a Helena era Lilian Lemmertz, mãe de Julia Lemmertz (Helena atual de “Em Família”) e havia os gêmeos João Vitor e Quinzinho interpretados por Tony Ramos e Natalia do Valle como uma das mocinhas. Os autores sempre repetem os atores que gostam e podem confiar. Assim como Maneco repetiu os gêmeos em “Viver a Vida”(2009). Já houve burburinho de um remake de “Baila Comigo”, porém se cogitou um de “A Sucessora”(1978) que era baseado num romance de Carolina Nabuco, não li o romance, mas é puramente “Rebeca, a mulher inesquecível”, filmado por Hitchcock, bem, capaz que ainda aconteça...

Além das Helenas, vale lembrar que ainda não tinha Helena em “A Sucessora”, era Marina (Suzana Vieira) a heroína, depois de “Baila Comigo”, com sua primeira Helena, Maneco fez “Sol de Verão”(1982), nessa não havia Helena, e sim Raquel (Irene Ravache), a segunda novela do horário nobre que deram pra Maneco, porém nesta morreu Jardel Filho, o protagonista masculino, prejudicando muito a obra, então não sei explicar o porquê, Maneco foi pro freezer, acabou escrevendo “Viver a Vida” na extinta TV Manchete, usou este mesmo título em 2009 na Rede Globo. Maneco voltou em “História de Amor” (1995) arrasando na faixa das 18h e então sendo promovido direto para o horário nobre com, “Por Amor” (1997).

Há várias peculiaridades em suas obras: Sempre há personagens músicos como Tony Ramos (Téo) em “Mulheres Apaixonadas”, Thiago Picchi em “Páginas da Vida” ou Gabriel Braga Nunes (Laerte em “Em Família”), entre outros. A literatura sempre marca presença, como na livraria “Dom Casmurro” em “Laços de Família” e o nome da personagem “Capitu” de Giovanna Antonelli também na mesma obra.

Em seu elenco como já disse aqui, Tony Ramos já esteve fazendo o protagonista ao lado de uma Helena várias vezes, em “Baila Comigo”, “Sol de Verão” onde fazia um surdo-mudo,”Felicidade”, “Laços de Família”, “Mulheres Apaixonadas”. Natalia do Valle esteve em: “Baila Comigo”, Páginas da Vida”, “Mulheres Apaixonadas”, “Viver a Vida”“Em Família”.Suzana Vieira: “A Sucessora”, “Baila Comigo”, “Por Amor”,“Mulheres Apaixonadas”.José Mayer: “História de Amor”, “Laços de Família”, “Páginas da Vida”,”Viver a Vida”.

Alcoolismo já foi tema de vários personagens de Maneco: Paulo José (Por Amor), Vera Holtz (Mulheres Apaixonadas) Eduardo Lago (Páginas da Vida) Thiago Mendonça (Em Família)...

Sua “Helenas” foram – em ordem cronológica:Lilian Lemmertz, Maitê Proença, Regina Duarte, Regina Duarte, Vera Fischer, Cristiane Torloni, Regina Duarte, Tais Araujo e Julia Lemmertz.

Suas Helenas, são suas heroínas, elas gostam de “Viver a Vida”, sempre vivem uma  “História de Amor”, sempre estão ligadas a outras “Mulheres Apaixonadas”, fazem tudo pelos “Laços de Família” e sempre são julgadas e questionadas. Nem sempre estão certas, vivem um momento crucial de suas vidas, mas tudo acaba bem, afinal tudo o que fazem é “Por Amor”, o erro é perdoado por quem as ama e tudo fica “Em Família”.

Manoel Carlos é o autor mais poético e cronista da teledramaturgia atual oferecendo sempre uma homenagem ao Rio de Janeiro, que regado por canções da Bossa Nova ou da MPB envolvem personagens reais, mais vivos que os outros, diálogos do dia a dia e questionamentos as vezes simples desnudados com maestria. Maneco tem um a delicadeza que os outros autores não tem. Não tem pressa de contar sua história.

Suas novelas sempre envolvem vida, amor em sua amplitude, como muitos dos nomes de suas obras, títulos leves que quase poderiam seu um só. Devido isso há sempre hospitais, essa parte não aprecio muito, sempre há pessoas em risco de vida ou entre a vida e a morta ou ameaçadas de perder seus movimentos. Há sempre crianças envolvidas em delicadas situações.

As Helenas tem esse nome devido o nome ser bem real e não nome de personagem, pela simbologia da mitologia grega também, Maneco sempre gostou do nome e nunca teve um grande amor chamado Helena como muitos pensam. Talvez tenha se tornado uma superstição já que quando mudou de Helena para Raquel, não deu certo. Será? Enfim, como ele mesmo diz as Helenas são somente iguais nos nomes, mas são sempre diferentes, uma da outra. Acredito ser mais que merecido um papel de protagonista a atriz Julia Lemmertz, já não era sem tempo. Manoel faz de assuntos para muitos, banais, pequenas pérolas. Em sua última obra, Maneco faz homenagem usando vários atores que marcaram seu elenco, e são muitos. Provavelmente, Manoel Carlos seja um homem que sempre viveu “Por Amor” e em “Laços de Família”.

 

 Créditos das fotos: Foto do topo, o autor de "Em Família", Manoel Carlos. Foto do centro do texto: a atual Helena (Julia Lemmertz no meio de Gabriel Braga Nunes e Humberto Martins). Foto debaixo: Todas as Helenas e suas intérpretes e suas obras, no texto está em ordem cronológica.

 

Tags: 
comentário(s)