Blog do Vinho
O encontro do espumante Ferrari com o panetone Fasano
por Suzamara Santos
Publicado em 15 de dezembro de 2018

Harmonização de espumante Ferrari e panetone Fasano: delícias natalinas 

Sou sempre a última a entrar no pique de Natal, Réveillon e qualquer efeméride de destaque na folhinha. Mas ontem (14/12) peguei um atalho delicioso para as festas de fim de ano: uma harmonização de espumante Ferrari com panetone Fasano, duas delícias italianas altamente recomendadas para servir em casa ou presentear pessoas  especiais nesta época do ano. A harmonização foi oferecida por José Lúcio Natali, da Enoteca Decanter, do Gramado Mall, em clima de confraternização, mas sem muita solenidade, como pedia o calor Pois o e verão e belo céu azul da tarde.

A vinícola Ferrari já foi tema em vários artigos neste blog e com merecido destaque. É uma grife super-premiada na Europa e um dos destaques mais cintilantes da vasta enologia italiana. Fica na região do Trentino, ao Norte, e se dedica à produção de espumantes há mais de 100 anos. O que tem de diferente? Bem, os enólogos da marca sabem extrair da Chardonnay (casta praticamente exclusiva na elaboração de seus rótulos), toda a complexidade e elegância que lhe conferem o título de “rainha das brancas”.

Além disso, no processo de vinificação, o espumante fica 36 meses em contato com as leveduras dentro da garrafa, enquanto a média em outros vinhos é de 10 meses. Isso ajuda a explicar as delicadas notas de avelãs, amêndoas, frutas cristalizadas e padaria que a bebida entrega (reparou, é tudo o que se espera de um bom panetone). Embora não tenha nada a ver com a luxuosa montadora italiana, costumo dizer que “o Ferrari é a Ferrari dos espumantes”. E não por acaso é visto em ocasiões grandiosas como entrega do Oscar, Prêmio Nobel e reuniões do G8.

O vinho casou muito bem com o panetone Fasano, que neste ano foi elaborado na Itália – até então era fabricado no Brasil -, respeitando a  técnica e a tradição do país onde a receita foi criada. Fermentação biológica (não química), massa clara, uvas passas do tipo Sultana, considerada perfeita para esse uso, e… E basta, uma vez que o que importa é a textura do “pão natalino”, seus aromas confortáveis e sabores refinados. Eu acrescentaria (sugestão de José Lúcio), a casquinha crocante que fica por cima, herdada no manejo perfeito do forno.

Na harmonização, foi possível confirmar muitos pontos de contato, especialmente nas notas de avelãs tostadas, nos toques de fermentação e na maciez ao paladar. No mais, a perlage fina e persistente da bebida se encarregou de enfatizar o frescor e vocação festiva da ocasião.

FICOU COM VONTADE?

Enoteca Decanter Loja 1: Alameda do Vidoeiros, 255, Jardim das Paineiras, f. (19) 3255-6585. Loja 2 – Cambuí, Rua Coronel Quirino, 2009, Cambuí, f. 3295-1994.

 

Compartilhe

Copyright ©2010-2018 Campinas.com.br. Todos os direitos reservados.

+ Blog do Vinho