Cultura
MIS Campinas vai receber R$ 1,3 milhão do Ministério da Cultura para reforma
Publicado em 27 de janeiro de 2014

O Museu da Imagem e do Som (MIS) de Campinas vai receber do Ministério da Cultura uma verba de R$ 1,3 milhão para reformas no local, instalado no Palácio dos Azulejos, patrimônio nacional, no Centro da cidade. A verba já está prevista no orçamento de 2014 do Ministério e a Secretaria Municipal de Cultura só aguarda a liberação dos recursos para início das obras.

O projeto de revitalização prevê reformas na área de acessibilidade, construção de um espaço de alimentação, paisagismo interno, além de uma sala de cinema equipada com aparelhos de última geração.

De acordo com o diretor de Cultura Gabriel Rapassi, a verba vai tornar o espaço mais atrativo e transformar o local em um lugar mais acessível para todos os públicos.

“Vamos garantir a acessibilidade para os cadeirantes e pessoas com mobilidade reduzida. Além de transformar um monta cargas (elevador antigo de caixas) em elevador com todas as normas de segurança para que essas pessoas tenham acesso ao piso superior do museu”, disse o diretor.

O pátio interno também deverá ganhar uma nova ‘roupagem’, com o projeto de paisagismo. Uma sala do pavimento térreo do prédio vai receber adequações para armazenar o acervo do museu para evitar que os materiais se deteriorem com o tempo.

A atual sala de cinema Gláuber Rocha vai receber acabamento e será modernizada com equipamentos de última geração, com cabine de projeção, poltronas adequadas, acústica, som digital 5.1, ar condicionado, além de um projetor para poder receber tanto filmes em formato digital quanto em formato de película. Uma bombonier também será construída na entrada do MIS para tornar o local mais convidativo.

Palácio dos Azulejos

O Palácio dos Azulejos, onde fica o MIS, é a única edificação na cidade considerada patrimônio nacional, tombado pelo IPHAN (processo nº736-T-64 em 1967). Também reconhecido como patrimônio estadual e municipal, foi tombado pelo CONDEPHAAT (1981) e CONDEPACC (1988).

Construído para residência de Joaquim Ferreira Penteado, o Barão de Itatiba, funcionou como solar residencial até 1908, quando foi vendido à Prefeitura, que o ocupou como sede do governo municipal até 1968. A partir desta data e até 1996, foi utilizado pela Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento S.A (Sanasa), ocasião em que foi transferido para Secretaria Municipal de Cultura.

É um imponente prédio que, em conjunto com outras edificações urbanas do período, é representante do que se identificou como a construção da “modernidade” de Campinas no século XIX. Na década de 1950, foi assunto e alvo de polêmica apaixonada na imprensa local, onde um grupo de cidadãos defendia a criação de um museu histórico e pedagógico e outro sugeria sua demolição.

Por meio da lei municipal 4576/75, o MIS foi viabilizado pelo poder público municipal a partir da idealização de um grupo de fotógrafos, cineastas e cineclubistas da região, envolvidos na produção e difusão da fotografia, cinema e audiovisual, liderados por Henrique de Oliveira Júnior e Dayz Peixoto Fonseca.

O objetivo era preservar e reunir, sistematicamente, a memória audiovisual de Campinas e região, cujas peças vinham sendo guardadas de maneira isolada, em outros museus da cidade, e em outras instituições públicas municipais ou mesmo integrando coleções particulares.

O acervo do MIS é constituído por um dos mais significativos conjuntos de fotos, filmes, negativos, vídeos, slides, discos, fitas e objetos sobre a história social e cultural da cidade de Campinas e região, e se apresenta em cinco diferentes linguagens: Audiovisual (cinema e vídeo), Fotografia, Música, Tecnologia e Biblioteca, atraindo pesquisadores de todo o país.

Fonte: Site da Prefeitura de Campinas
Foto: Luiz Granzotto – Prefeitura de Campinas (divulgação)

Compartilhe

Copyright ©2010-2018 Campinas.com.br. Todos os direitos reservados.

+ Cultura