Cultura
Peça “O Topo da Montanha”, com Lázaro Ramos e Taís Araújo, faz curta temporada em Campinas
Publicado em 30 de maio de 2016

Atualizado em 10 de junho

Após temporadas de sucesso de público e crítica em São Paulo, a peça “O Topo da Montanha”, protagonizada e também produzida pelo casal Lázaro Ramos e Taís Araújo, com direção de Lázaro Ramos e codireção de Fernando Philbert, chega a Campinas para uma curta temporada em dois fins de semana, dias 04, 05, 11 e 12 de junho, no teatro do shopping Iguatemi.

Para este domingo, dia 12, foi aberta uma sessão extra às 20h30. E os internautas do Campinas.com.br terão 50% de desconto no valor do ingresso inteiro. Basta clicar neste link e acessar o voucher para ser apresentado na bilheteria na hora da compra. Promoção válida somente para os primeiros 100 ingressos.

Há quase cinquenta anos, no dia 4 de abril de 1968, o mundo se despedia de Martin Luther King Jr, o pastor protestante e ativista político que se tornou ícone por sua luta pelo amor ao próximo e pelo repúdio à segregação racial norte-americana. Somente entre 1883 e 1959, cerca de cinco mil negros foram linchados nos estados do Sul do país, e é este o momento histórico que a jovem dramaturga Katori Hall desconstrói na ficção “O Topo da Montanha”, peça que estreou aclamada em Londres, em 2009, ganhou versão na Broadway, em 2011, e no Brasil, em São Paulo, no Teatro Faap, onde estreou no dia 9 de outubro de 2015.

O espetáculo faz alusão ao último discurso de Luther King (“I’ve Been to the Mountaintop”) realizado em Memphis, na Igreja de Mason, no dia 3 de abril de 1968, um dia antes de seu assassinato, cometido na sacada do Hotel Lorraine. É exatamente neste cenário, do quarto 306 – e na sequência de suas derradeiras palavras públicas –, que Martin Luther King, interpretado por Lázaro Ramos, conhece Camae, encenada por Taís Araújo, a misteriosa e bela camareira em seu primeiro dia de trabalho no estabelecimento. Repleta de segredos, ela confronta o líder em clima de suspense e simultaneamente debochado. Deste modo, em perfeito jogo de provocações, faz o reverendo se lembrar que, como todos, é humano. Por meio do humor e da emoção, faz rir e pensar com retórica atual, seja para americanos ou brasileiros. 

“Este texto me perseguiu como ator por dois anos, por meio de pessoas que diziam que tinha de fazê-lo no Brasil. E é contemporâneo porque é uma história também sobre enfrentar medos. Sobre os trilhos da coragem e do afeto”, resume Lázaro. “Tínhamos muito receio de que o texto fosse americano demais e não tocasse as pessoas. Mas o tempo e uma boa tradução nos convenceram que as questões do amor e da igualdade são relevantes e próximas a todos nós”, complementa Taís. 

Também produtores da versão brasileira, Lázaro Ramos e Taís Araújo continuam a trajetória de sucesso ascendente da montagem. “O Topo da Montanha” fez sua primeira aparição em Londres, em 2009, ocasião na qual encantou espectadores ingleses e recebeu o prêmio Lawrence Olivier como melhor peça estreante. Já em 2011, aterrissou na Brodway, em Nova York, encenada por Samuel L. Jackson e Angela Basset. 

O primeiro a vê-la, em Manhatan, foi um amigo do casal que a mencionou a Lázaro Ramos. Mais tarde, o diretor João Falcão apresentou ao ator o texto original, em inglês, ainda se dispondo a dirigí-lo. Feita uma primeira tradução, a conclusão da dupla Taís e Lázaro parecia irrevogável: o script era distante da realidade brasileira e demasiado americano, portanto não envolveria ninguém do lado de baixo da linha do Equador.

Mas o tempo passou, e Lázaro Ramos entrevistaria Joaquim Barbosa. Seu chefe de gabinete, Silvio Albuquerque, admirador e conhecedor de Martin Luther King, entregou uma nova tradução a ele – inicialmente deixada de lado até que Taís a lesse. “A nova tradução era muito boa e ora eu ri, ora me emocionei. Finalmente fazia sentido e tive a convicção de que era viável para o Brasil. Insisti para que Lázaro a revisse e, mais tarde, com a impossibilidade do João Falcão dirigir, pressionei para que ele a assumisse”, relembra Taís. “Dirigir não estava em meus planos, principalmente porque conciliar a direção com a atuação era algo que eu sempre disse que não faria. Taís, minha grande parceira de cena e de vida, me convenceu a encontrar e acreditar na força de Martin Luther King”, afirma Lázaro. 

Serviço:

Teatro: “O Topo da Montanha”
Local: teatro Iguatemi – shopping Iguatemi Campinas. Av. Iguatemi, 777, Vila Brandina – Campinas. (19) 3294-3166
Data: 04, 05, 11 e 12 de junho
Horários: sábados, às 21h30; domingos, às 18h e sessão extra às 20h30
Entrada: R$ 120 (inteira), R$ 60 (meia), R$ 100 (promocional – antecipado até o dia 31/05)
Vendas: bilheteria – de terça-feira a sábado, das 13h às 21h, e domingos, das 12h às 20h, ou pelo site ingresso.com.br
Indicação etária: 12 anos

Veja o convite dos atores aos internautas do Campinas.com.br:

 

Compartilhe

Copyright ©2010-2018 Campinas.com.br. Todos os direitos reservados.

+ Cultura